Datena abre o verdo e diz: “Tive uma relação mais próxima com o Lula do que com o Bolsonaro”

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on google
Google+
Share on whatsapp
WhatsApp

O apresentador José Luiz Datena disse, em entrevista ao Estadão, que, “por enquanto”, é pré-candidato à Presidência da República pelo PSL, partido presidido pelo deputado Luciano Bivar. Após se lançar e desistir seguidas vezes de disputar eleições, Datena afirmou que em 2022 será “candidato a algo”.

O jornalista, que apresenta o programa Brasil Urgente, da Band, já desistiu de concorrer nas eleições municipais do ano passado, quando estava filiado ao MDB; da disputa por uma vaga no Senado em 2018, quando era do DEM; e das eleições municipais de 2016, então no PP. Ainda em 2018, o apresentador chegou a se filiar ao nanico PRP e conversava com o partido sobre a possibilidade de se candidatar. Até 2015, Datena era filiado ao PT, onde permaneceu por 23 anos.

O que acha do Bolsonaro? Teve relação próxima com ele?

Não. Nunca tive relação próxima com o Bolsonaro. Quem disse que tive? Tive uma relação mais próxima com o Lula do que com o Bolsonaro. E hoje tenho relação distante com Lula e com Bolsonaro. Estive presencialmente com Bolsonaro três vezes, uma em que ele me convidou para ser candidato à Prefeitura de São Paulo com o (Paulo) Skaf. Mas as relações que eu tive com o presidente Jair Bolsonaro foram de entrevista. Com Bolsonaro não tenho nenhuma relação que não seja profissional.

Se puder escolher um cargo para disputar, qual seria?

Ah, eu não perco foco no Senado, mesmo porque eu sou muito bem avaliado em pesquisa para o Senado. Não adianta querer ser alguma coisa se não tiver apoio popular. Também não seria idiota de partir para eleições cujo ambiente político possa estar polarizado. Se o Lula e o Bolsonaro estiverem lá em cima, por que é que eu vou tentar sair candidato a presidente? Por enquanto, o que apontam as pesquisas é que o Bolsonaro está perdendo votos e que há possibilidade de uma terceira via.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Leia Também