Mulher que comandava o tráfico e que ordenou incêndios em viaturas em Caapiranga é presa

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on google
Google+
Share on whatsapp
WhatsApp
Segundo a polícia, a mulher é líder do tráfico de drogas no município e está envolvida nos incêndios ocorridos no município, em junho deste ano.

Uma mulher, identifiada como Franciete Batista da Silva, de 28 anos, foi presa durante uma ação policial no município de Caapiranga (a 68 quilômetros de Manaus). Ela é suspeita de ter ordenado os incêndios que ocorreram na cidade em junho deste ano, no qual três viaturas foram queimadas. Na ocasião, Kazelio Soares Furtado, conhecido como ‘Neguinho’, 34, foi preso em flagrante.

Segundo o delegado Mateus Moreira, titular da 32ª DIP, Franciete é apontada como líder do tráfico de drogas naquele município, e foi a mandante do ataque à DIP de Caapiranga, em junho deste ano, onde três viaturas e um veículo particular, pertencente a um policial civil, foram incendiados. A operação contou com apoio do efetivo da DIP de Manacapuru.

“Nossa equipe de investigação realizou o levantamento de diversos endereços onde Franciete poderia estar, pois a mesma encontrava-se foragida desde a decretação de sua prisão preventiva. E por meio de acompanhamentos de sua filha, conseguimos chegar até ela”, disse o delegado.

Além disso, o delegado detalhou que, naquele mesmo dia, durante o acompanhamento da filha da infratora, uma guarnição da Polícia Militar do Amazonas (PM-AM), abordou um táxi onde a mesma estava, e na ocasião foram encontrados 300 gramas de pedra de oxi, o que resultou na prisão em flagrante do motorista, que assumiu ser o proprietário da droga.

Franciete Batista da Silva responderá pelos crimes de tráfico de drogas, associação ao tráfico, associação criminosa e incêndio qualificado. Já Kazelio Soares Furtado responderá pelo crime de tráfico de drogas.

Os dois indivíduos foram encaminhados para a carceragem da unidade policial onde permanecem à disposição da Justiça. A filha de Franciete foi tida como testemunha, em seguida ouvida e liberada.

Leia Também