MPF arquiva processos contra a SES-AM de denúncias sobre a pandemia da Covid-19 na gestão de Marcellus Campêlo

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on google
Google+
Share on whatsapp
WhatsApp
Segundo o MPF, os processos foram arquivados por terem sido considerados sem fundamento durante as investigações.

O Ministério Público Federal decidiu arquivar diversos de processos abertos contra a Secretaria de Estado de Saúde (SES-AM), sendo a maioria relacionada a gestão do ex-secretário, Marellous Campêlo. Os processos foram abertos com objetivo de investigar denúncias referentes a ações da secretaria durante a pandemia da Covid-19.

A decisão foi publicada no Diário Eletrônico do órgão nessa quinta-feira (18). Entre os objetos dos procedimentos que foram considerados sem fundamento estão denúncias de irregularidades em contratação e prestação de serviços, em operação de transporte para pacientes com Covid-19, no Hospital de Combate à Covid-19 Nilton Lins e sobre distribuição de Equipamentos de Proteção Individual (EPI) em unidade da rede estadual.

Segundo consta no documento, a decisão de arquivamento foi tomada com base em diligências e informações prestadas pelo Tribunal de Contas do Estado do Amazonas (TCE) que constataram a utilização de fontes de recursos do Tesouro Estadual, ausência de ofensas a bens, serviços ou interesse da união.

O MPF também alegou declínio de atribuição no processo de Noticia de Fato referente ao relatório de inspeção sanitária da Vigilância Sanitária Municipal (Visa Manaus) sobre irregularidades administrativas no Hospital Nilton Lins com a justificativa de ausência de indícios de apropriação ou desvio de verbas federais.

Outro arquivamento foi referente a investigação das possíveis irregularidades no custeio da operação de transferência de pacientes acometidos por Covid-19 do Amazonas para Goiás. O órgão alega não haver comprovação e que não há nos autos indícios da malversação de recursos públicos, além da ausência de justa causa para prosseguimento da investigação.

Na publicação dessa quinta foi exposta também a promoção de arquivamento de procedimento preparatório contra Marcellus Campêlo por suposto descumprimento de requisições expedidas pelo 1º ofício da Procuradoria da República no Amazonas, por falta de provas de improbidade administrativa ou crime, além da constatação de que parte muito significativa dos expedientes não pode ser considerada como requisição e também por não conter indicação específica dos dados requisitados.

Também foi arquivado o Inquérito Civil aberto pelo MPF para investigar supostas irregularidades na distribuição de EPIs a profissionais de saúde do Hospital e Pronto-Socorro 28 de Agosto, durante a primeira onda da pandemia de Covid-19 no estado. Após diligências, o órgão alega que não houve comprovação de atos de improbidade administrativa, além de situação de completa anormalidade em razão do cenário de pandemia.

Esta não é a primeira vez que os órgãos de controle externo arquivam processos referentes a denúncias contra Marcellus Campêlo, enquanto secretário por não encontrarem comprovação de irregularidade. Em 04 de julho, o Tribunal de Contas da União arquivou um processo sobre a suspeita de irregularidade  na contratação de empresa para prestação de serviços de UTI aérea durante a pandemia. A apuração dos valores feita pelo TCU não encontrou sobrepreço nem direcionamento da dispensa de licitação.

Recentemente, o MPE também arquivou um Procedimento Administrativo para acompanhar as medidas adotadas pela SES-AM para garantir recursos humanos em quantidade suficiente nos hospitais para atendimento aos pacientes com Covid-19, tendo em vista o aumento exponencial da demanda no pico da pandemia. O órgão considerou satisfatória a resposta da secretaria sobre admissões feitas por meio de processo seletivo e de contratação de serviços.

Leia Também