Amazonas tem 37 casos confirmados de ‘Doença da urina preta’

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on google
Google+
Share on whatsapp
WhatsApp

A Fundação de Vigilância em Saúde do Amazonas – Drª Rosemary Costa Pinto (FVS-RCP) informou nesta sexta-feira (19) que subiu para 37 o número de casos confirmados de rabdomiólise associada à Doença de Haff, mais conhecido como “Doença da urina preta”. A maioria dos infectados mora em Itacoatiara (30), localizado a 268 quilômetros de Manaus.

No entanto, há casos em municípios próximos, como Itapiranga (2), Manaus (2), Parintins (1), São Sebastião do Uatumã (1) e Tabatinga (1).

De acordo com a FVS-RCP, entre os infectados no Amazonas, 21 são homens e 16 mulheres, sendo cinco menores de 20 anos, dez com idade entre 20 e 39 anos, 15 com idade entre 40 e 59 anos e sete idosos. Vinte e dois infectados moram na zona urbana do município e 15 na zona rural.

O pacu foi o peixe mais consumido entre os infectados, sendo apontado em 21 casos. Doze pessoas disseram que comeram tambaqui, uma informou que consumiu pirapitinga, uma comeu aracu e uma disse que consumiu curimatã.

A mialgia intensa, que são dores musculares, é o sintoma mais comum entre os casos confirmados neste ano, sendo apontado por 89%. Em seguida, tem a fraqueza muscular (70%), náuseas (70%), dor torácica (62%), dormência (57%), dor abdominal (46%) e Vômito (43%).

A rabdomiólise, doença caracterizada pela quebra muscular e liberação dos constituintes das células no sangue, pode danificar os rins, que sobrecarregados, não conseguem filtrar os resíduos concentrados na urina, levando à insuficiência renal aguda.

a FVS clicando aqui.

Leia Também